A Filha e o Colega do Cursinho

Loading

Meu nome é Luisa, sou branca, cabelos castanhos, tenho 1,70, 30 anos e estou casada a 5 anos com o Ricardo. Ricardo tem 44 anos e tem uma filha de 18 anos do primeiro casamento, Raquel, que passou a morar conosco no último ano para fazer cursinho.
Desde que ela chegou passamos a ter um bom relacionamento e nos tornamos boas amigas, confidentes uma da outra. Raquel é clarinha, corpo tipo file mignon, corpinho de adolescente. Ela me contava tudo, sobre as paqueras no cursinho, as conversas com as amigas e às vezes reclama do pai, que é autoritário, não a deixava voltar das festas tarde, entre outras coisas. Ricardo achava que Raquel ainda era criança.
Sempre fui muito aberta em relação a sexo e acho que foi por isso que o Ricardo se casou comigo. Nunca vi problema em conversar com a Raquel sobre sexo. Nos últimos tempos Raquel vinha se abrindo comigo em relação a um paquera, Rodrigo, um amigo do cursinho.
Seu pai ainda não sabia e nem podia saber, afinal Rodrigo já tinha 30 anos (minha idade!) e era casado.

Perguntei a Raquel brincando porque no meio de tantos garotos jovens tinha que escolher logo um homem casado, mas não a censurei por isso. Raquel me explicou que os garotos eram muito infantis e que ela achava o Rodrigo muito bonito e muito interessante.
Pensei comigo “Quanta inocência. Ele está querendo é te comer”, mas não falei nada. Quando ela me mostrou a foto do namorado, quase caí pra trás. Rodrigo era moreno, tinha um corpo malhado, muito bonito. Na hora entendi a queda de Raquel por Rodrigo, mas achei que ela não aguentaria a pica do rapaz, afinal, ela era branquinha, mignon, eu já imaginava os dois trepando.
Perguntei se ela já tinha dado pra ele e ela respondeu que não, que tinham apenas trocado uns amassos no intervalo do cursinho, pois às vezes a esposa se encontrava com o Rodrigo no final das aulas e que ele tinha medo que a esposa visse os dois juntos.
Perguntei se ela não ficava com vontade e ela disse que sim, que já estava doida pra dar pra ele, mas que não via oportunidade. Brinquei que ele devia ter uma pica enorme e que ela teria trabalho. Ela acenou que sim, riu e disse que não via a hora, que só de pensar nisso ficava excitada. Perguntei se ela não ficava com ciúmes, sabendo que todo dia ele dormia com a esposa em casa. Raquel ficou vermelha, riu e disse que não se importava, que ela não queria nada sério com ele.
Tínhamos o costume de ir pra casa de praia em alguns fins de semana. Sempre íamos os três, eu, Ricardo e Raquel. Raquel às vezes levava alguma amiga, mas Ricardo nunca havia permitido que ela levasse seus amiguinhos. Em um destes finais de semana, quando Ricardo estaria fora a trabalho, aproveitei e perguntei a Raquel

se era não queria chamar o Rodrigo para vir conosco, só nos três, sem o pai dela. Dei uma piscadinha que ela entendeu na hora. Ela perguntou se eu não achava arriscado e disse que não. Ela só não poderia contar para o Ricardo, seria um segredinho nosso. Raquel também me perguntou se eu não me importaria em ter os dois juntos na casa. Logo disse que não, que ela já tinha 18 que tinha que namorar muito, foder muito, que essa era a idade. Fui mais longe e disse que ela iria transar muito naquele fim de semana. Raquel só ria. Estava super excitada.
Na sexta-feira pela manhã, Ricardo saiu cedo para sua viagem. Ficaria uma semana fora. Expliquei a ele que eu e Raquel iríamos para a casa de praia no fim de semana e ele não se importou. Logo após o cursinho, chega à casa Raquel com seu caso, o Rodrigo. Não podia acreditar, Rodrigo era um tesão de homem. Fiquei feliz em saber que ele passaria um final de semana conosco na praia. Não perguntei por sua esposa e ele também não falou nada. Para a Raquel, Rodrigo disse que havia liberado a esposa para passar o final de semana nas casas dos pais e que por isso havia conseguido aceitar nossa proposta.
Fui dirigindo e chegamos à casa de praia na sexta-feira no início da noite. Quando chegamos à casa, que tinha 3 quartos, todos com cama de casal, Raquel achou que ela e Rodrigo ficariam em quartos separados. Logo disse que não e levei a mala dos dois para o quarto próximo ao meu. Naturalmente, expliquei que aquele seria o quarto deles e que ficassem à vontade. Raquel estranhou a idéia, mas logo aceitou. Eu fiquei molhada de tesão só de imaginar o que o Rodrigo faria com aquela jovem ninfeta durante o final de semana.
Aproveitamos que não era tarde e decidimos ir a um forró no vilarejo da cidade. Raquel e eu em dois vestidos curtos, bem leves, mostrando nossas coxas e Rodrigo usando camisa e uma calça dessas de tecido, bem levinha. Logo fiquei amiga também de Rodrigo e após alguns chopes, ríamos muito os três. Foi quando a música começou e Rodrigo tirou Raquel pra dançar. Vi que os dois se esfregavam muito e que o pau do Rodrigo devia estar duro naquele esfrega-esfrega com Raquel. Eu já estava molhada só de imaginar. Foi quando Rodrigo também me tirou pra dançar. Perguntei a Raquel se não tinha problema e ela riu pra mim, falando pra me divertir. Logo que começamos a dançar, senti também o pau duro de Rodrigo em minha barriga. Ele tinha uma pica enorme e ao perceber que eu estava gostando, passou a se esfregar mais em mim, enquanto suas mãos escorregavam “sem querer” quase por cima da minha bunda. Aquilo me deixou louca e abri um pouco mais as pernas pra que ele encaixasse bem suas pernas entre as minhas. Logo senti sua ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]