COMI A BABA DA MINHA SOBRINHA

Loading

Minha cunhada tinha uma irmã que era uma delicia! Minha cunhada trabalha no hospital ela e enfermeira e trabalhava das 7:00 as 13:00 meu irmão trabalhava o dia todo as 6:50 pegar ônibus para ir ao trabalho e so retornava as 17:00, como minha sobrinha era pequena tinha recém nascia prescisava de alguém para cuidar e minha cunhada resolveu chamar a irmã dela pois estava desempregada e estaria disponível, Cleide e seu nome morena clara olhos castanhos claros, cabelos preto comprido, seios medios, coxas grossas, bunda media, tinha apenas 25 anos, Cleide chegava todo dias as 6:30hs era bem cedo mas poucas vezes vi ela chegando, Cleide era uma moça muito bem reservada não usava roupas provocantes, maioria das vezes que a via estava de calça jeans e camisetas, mas como vinha com seu namorado cedo ele deixava ela aqui as vezes que pude ver ela estava de shorts, saia, blusinha, Bom mas o que aconteceu foi acontecendo naturalmente, eu levantava por volta das 8:00 hs descia na casa de meu irmão abria a porta que minha mãe tinha a chave, entrava sem fazer barulho e ia ate o quarto da uma olhada, Cleide sempre aproveitava para continuar dormindo eu ficava la observando ela, ela costumava dormir so de calcinha e uma blusinha, nossa eu batia uma ali mesmo olhando, gosava no chão e limpava, isso se estendeu por mais de 3 meses cada vez Cleide estava vais provocante, e mais bela, mais eu não passava daí da porta, ate que um dia não me controlei e entrei Cleide dormia de vestidinho curto com as pernas entrelaçadas de costa para mim, me aproximei abaixei de seu lado e pasei meu braço por cima dela e com muito cuidado tocando seus seios, por cima do pano fino senti que seus mamilos endurecia, então desci ate sua pernas e com cuidado levantei seu vestido um pouquinho pude ver que estava sem calcinha, ai não me controlei tirei meu pau pra fora e comei a bater uma ali do ladinho dela e com a outra mão toquei sua buceta por traz, senti que estava molhadinha quando eu estava quase gosando ela se mexeu e vi que estava acordando e com muito tesão, mas para minha surpresa ela começou a se mexer acompanhado o movimento de minha mão, abriu o olho, nossa fiquei parado com a mão entre sua pernas ela me olhos e

disse bem baixinho para não acordar minha sobrinha, continua ro!, eu tinha parado com minha punheta e so passava a da prazer a Cleide então senti que ela estava tendo seu primeiro orgasmo melando todo meu dedo, nisso ela se virou na cama de barriga para cima e me mostrando sua buceta o quarto estava com meia luz, pude ver a coisa mais linda uma buceta com lábios grandes, bem vermelhinho todo melado, cai de boca chupei como nunca imaginei, Cleide se retorcia na cama segurando minha cabeça contra sua xana, chegando a um goso incrível, lambi tudo deixando a seguinha, tornei a colocar meu rosto a quase cinco centímetros de seu sexo e aproveitei e dei um beijo na sua boceta e em seguida lambi suas virilhas. Ela gemeu baixinho e pegou meus cabelos e me acariciou a cabeça. Nos levantamos tirei aquele vestidinho e beijamos longo e apaixonadamente de língua. Ela disse que eu era lindo e estava louquinha para fazer amor comigo. Beijamos novamente e comecei a tirar minha camisa e ela me ajudava abaixando a minha bermuda. Na hora que ela tirou a cueca, meu pau bateu duro na minha barriga. Ela exclamou dizendo que nunca tinha visto um pau tão bonito e devia ser super gostoso. Pedi que ela experimentasse e provasse o sabor. Ela começou beijando a glande e passou a língua no meu prepúcio, o que me deixou louco de tesão. Ela chupava meu pau e punhetava-o com a boca. Depois ela chupou com todo carinho as minhas bolas e lambeu com voracidade as minhas virilhas. Enquanto ela mamava, apertava a auréola de seus seios. Ela gemia e chupava com mais vontade meu pau. Vi em sua boca o meu liquido seminal que ela engoliu com vontade. Ela deitou-se na cama caí em cima dela beijando-a e bolinando todo seu corpo. Dei um banho de língua em seu pescoço, orelhas, seios, barriga, parte interna das coxas. Ela já estava completamente molhadinha, babava pelas pernas abaixo. Parecia que estava urinando. Só não estava, pois o caldo era grosso, espesso e levemente adocicado. Dei um banho de língua naquele sexo delicioso. Passei a língua naqueles pentelhos aparadinhos, lambi aquelas virilhas chegando até sua bundinha e chupava e mordiscava as polpas de sua bunda, acariciando de leve seu cuzinho que era virgem. Comecei a enfiar minha língua em sua xoxota. Ela apertava minha cabeça de modo ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]