Homem proibido

Loading

Sentir tesão por alguém proibido é foda! Nunca me imaginei nessa situação. Juro que tentei resistir.

Morávamos apenas eu e ela no Ap da Avenida Principal. De vez em quando, pela manhã, eu a acordava gritando: “Bom dia”!!! E tchi bum!! Para cima dela na cama. Rolávamos uma por cima da outra e ríamos muito. A danadinha acordava com incrível bom humor quando eu a surpreendia com meu jeito delicado Sibila de ser.

Já deitada em sua cama, ficava olhando para ela quando saía do banheiro enrolada na toalha. Depois passava hidratantes, se maquiava e se aprontava diante de mim antes de sair pro trabalho. Como eu a admirava! Que gata!!

Mas naquele momento, me intrigava como a gostosona andava mais sensual, mais assanhada.

Um dia, ao chegar da faculdade, encontro sentado no sofá da sala o motivo daquele assanhamento todo. Ainn! meu deus!! O que que era aquilo??!! Um moreno delicioso vestindo calça jeans e camiseta de malha, todo esparramado no sofá da sala com cara de cachorrinho safado, querendo afago. Era um quarentão maravilhoso, de furinho no queixo e lábios carnudos, sorrindo para mim. Não pude deixar de apreciar aquele gostoso.

“Caraio” maluco! Cara folgado! Se eu estava felizinha a alegria foi por água abaixo. Não consegui abrir meio sorriso, principalmente quando A MINHA MÃE me apresentou Rogério como seu namorado. Meu ciúmes atingiu níveis alarmantes.

Mas vamos combinar que o cara era muito gato! Minha nossa!! Que lasca de moreno!! Quando ele resolveu abrir aquela boca linda pra dizer:

- Tudo bem com você, Sibila?

Até estremeci! O homem tinha poder até na voz. Olhei pra ele com aquela camisa mostrando parte do peitoral sensual, peludo. Eu zuei:

- Manêro o maxi colar ae...hehehe!!

Ele ficou boladão sem entender bulhufas... Tive que rir, ri alto. Irônica. E saí saindo...

Fui dormir cansada, enciumada, irritada. Mas compreendi o comportamento da MINHA mãe. Descobri naquele momento que eu tinha a quem puxar. A safada também gostava de carne da boa!!! Gostava de homem gostoso!

Para piorar a situação, Roger era separado e morava no Ap de cima com duas pestes mirins que chamava de filhos. Isso fez com que ele praticamente se mudasse para nosso Ap. Ele aproveitava o sossego de nosso aconchego e namorava numa boa com a MINHA mãe, enquanto uma babá cuidava das pestinhas dele. Isso foi complicado, porque tive que dividir a atenção dela com aquele sujeito folgado e delicioso.


O gostosão cozinhava. Tinha um senso de humor incrível. A presença dele dentro de casa garantia muitas gargalhadas. Um homem que encantava com sua inteligência. Mas isso era na verdade um problema, uma merda, tá?! Estava encantada demais com ele. Aquilo não ia prestar!

Passei a provocá-lo usando roupas bem curtinhas, transparentes e blusinhas de alcinha que praticamente deixavam meus seios empinados à mostra. Mas era nos meus ensaios na sala de dança do ventre que eu abusava da sensualidade.

Quando ele estava em casa, vestia minha roupinha típica da dança, vermelha, linda! Toda bordada por mim mesma com pedrarias, franjas e pérolas brancas. Corria para a sala. Colocava o som. Deixava o babão viajando nos meus movimentos sensuais ritmados, mexendo os quadris, rebolando redondinho!! Meu piercing parecia pedra viva no meu umbiguinho.

O homem mesmo que não quisesse ficar excitado, ficava. Fazia aquilo só pra ele imaginar como meu corpicho era capaz de se mover gostoso embaixo dele.

Sabia que estava passando dos limites. O problema é que estava perdendo o controle dos

meus impulsos.

Nas noites que minha mãe estava em casa, eles dois ficavam no quarto dela assistindo TV. Eu sozinha no meu. Minha nossa! Não suportava aquilo, queria a atenção dela e ele estava lá. Claro que algumas dessas vezes eu não resisti e fui para o quarto deles também.

Pulava na cama dos dois. Caraca!! Eu com dezenove anos agindo como uma menina de doze!! Queria “empatar” mesmo. Ela doidinha pra namorar e eu lá, só atrapalhando... Num demorava muito e saía um “ratatá” entre nós duas. Roger apenas observava.

Quando eu cismava de ir para a cama deles, deitava atrás de minha mãe. Eu a ignorava e focava na pegada dele, no modo como ele a beijava, super sexy. Via que a “bixinha” até torcia. Claro que muito discreta! Mas eu sabia o nível de tesão ali. O problema era que eu ficava muito excitada...

Minha nossa!! Eu ficava louca todas as vezes que ele a pegava. Que tesão de homem!!

Ele num era burro nem nada, sabia que eu estava caidinha por ele. Meus olhares denunciavam meu desejo. Em alguns momentos quando ele a beijava, olhava em meus olhos, e aí que ele a pegava com mais vontade, bem ali do meu lado, só para eu ver, para me provocar. Uma tentação!

Numa segunda-feira, daquelas bem chatas, cheguei cedo da facul. Já sabendo que ia passar um filme bem legal, depois de uma novela patética num canal ridículo de TV. Fiz valer o “cariazinho de oreia” que existe dentro de mim e passei direto pro meu quarto. Tomei um banho. Coloquei aquele short doll, e parti pra agressão.

Perdi a linha e fui pro quarto deles muito mal intencionada. “Tadinha dela, tadinha dela” eram meus pensamentos. Meu coração doía, mas minha bucetinha piscava pro cara. Eita! dilema do cão!!

Como sempre, pulei na cama. Porém, nesse dia me joguei bem no meio dos dois, debaixo dos lençóis, como nunca tinha feito antes. Percebi que Roger já estava excitado. Que loucura!! Senti seu pau duro na minha bunda. Que tesão que me deu! Esfreguei meu corpo no dele. Ele permaneceu imóvel. Parecia querer meu corpo roçando no dele debaixo do edredon com minha mãe do lado.

Evidente que ela ficou puta! Na hora, me mandou sair da cama e ir pro meu quarto. Ela sabia da situação do homem dela. Lógico que rolou mais um stress, pois tinha acabado de quebrar o clima do casal. Mas obedeci e fui pro meu quarto “boladona”.

Eu estava muito confusa, tão confusa!! Passei uma noite de cão. Rolava na cama, sem conseguir dormir. Então, no meio da madrugada, me levantei pra ir à cozinha beber água. Saindo do meu quarto, no corredor, escutei uns barulhinhos suspeitos vindos do quarto deles. Não me contive e me aproximei da porta. Pra minha surpresa, estava entreaberta. Fiquei quietinha olhando pela greta. Minha nossa!! Que visão!!

Vi minha mãe da cintura pra baixo toda arreganhada com ele entre as pernas dela lhe chupando a buceta com vontade.

Que coisa louca!! Ela rebolava na língua dele, sussurrava! Ele a segurava pelos quadris, lambendo sem parar! “Caraio veio”!! Que tesão desgraçado que me deu! Fiquei enlouquecida vendo aquela cena.

A intensidade dos movimentos dele aumentou à medida que ela ia demonstrando a chegada seu orgasmo. Vi a barriguinha branquinha dela subindo e descendo com mais rapidez. Nesse momento ele também fodeu com os dedos a xoxota dela, não vi quantos. Ele estava ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]