Meu cunhado na festa de Reveillon

Loading

No réveillon de 2016 passamos na casa da irmã da minha esposa, na casa do meu cunhado. Tivemos um dia cheio, muitas compras, preparativos, claro que a bebida rolou solta desse o almoço. Além das duas famílias haviam muitos amigos, tinha uma galera e tanto. Combinamos que a virada iríamos todos para a beira do mar assistir ao espetáculo dos fogos. Preparamos tudo, a janta, carregamos os carros com muita bebida, queríamos aproveitar ao máximo. Foi um longo dia, com muitas saídas para feira, super, lojas. Numa dessas saídas, fomos eu e meu cunhado buscar uns itens que estavam faltando para a ceia, fomos no super, num atacado e nas bancas da cidade, tudo muito demorado, havia muita gente nas ruas e no comércio. Lá pelas tantas, meu cunhado rumou para um bairro desconhecido, um local um tanto deserto, disse que iria ver um cachorro que estava a fim de ganhar e fomos até uma vila longe, alguns casebres, mas poucos habitados. Num desses casebres ele parou e um cara nos recebeu, conversaram e o cara mostrou um cachorro bem bonito, combinaram alguma coisa e ele voltou para o carro dizendo que tinha conseguido o tal cachorro, iria buscar outro dia porque tinha muita gente na casa. Na volta ele parou em outro barraco que estava vazio, era de pescador, mas não havia ninguém, entrou e me chamou, quando entrei ele já estava com seu pau para fora da calça e disse que estava com muito tesão e precisava se aliviar, disse a ele que ali era perigoso, podíamos ser denunciados, mas ele nem ligou, disse que com tantas garotas gostosas na casa estava com muito tesão e queria gozar. Sem me dar muita atenção pegou meu braço e me puxou, me forçou a ajoelhas e mandou eu mamar seu pau, quando cheguei perto, estava com forte cheiro de macho e suor misturados, tentei argumentar, mas ele disse que eu era putinha e que não queria nem saber, me mandou mamar bem gostoso, sem escolha e querendo sair logo daquele lugar, obedeci, arreei sua calça e cueca até em baixo e comecei a lamber a cabeça, estava realmente com mau cheiro, mistura de suor e macho, fiquei com um pouco de nojo, pedi que fizéssemos aquilo mais tarde, mas ele com muito fúria me disse para chupar logo,

sua expressão foi tão forte que resolvi obedecer, peguei no mastro e comecei a lamber a cabeça, passei a língua na glade, fazendo o contorno na cabeça, arrancando um suspiro alto do meu macho, enquanto lambia a cabeça, acariciava as bolas, ele começou a se contorcer todo, depois desci pelo mastro, lambi, dei pequenas mordidas e cheguei até o saco, estava muito mal cheiroso ainda, suas virilhas estavam muito suadas, gosto salgado e bem ruim, mas lambi as virilhas, as bolas, fiquei com pentelhos na boca, voltei pelo mastro, cheguei a cabeça, abri bem a boca e coloquei a cabeçona toda na boca, acariciando com a língua toda sua circunferência, ele gemeu alto, me chamou de puta malvada, que gostoso, continua e realmente continuei chupando, não demorou e ele começou a largar o pré-gozo, muito salgado, cremoso, melado e bem azedinho, ele estava com muito tesão, me lambuzei todo rosto com seu mel, ele despejava em abundância, já estava quase gozando, mandou eu parar um pouco, afastou minha cabeça e respirou fundo, disse que queria me comer, despejar todo o leite no meu cuzinho, sua respiração era muito ofegante, estava descontrolado, me mandou virar, abaixar minha bermuda e encostar na mesa, obedeci, ele me forçou para baixo me deitando sobre a mesa e abriu minha bunda, esfregou seu pau melado no cuzinho e posicionou na portinha, me segurou firme na cintura e forçou, doeu a beça, mas como estava bem melado, foi entrando e arrebentando minhas entranhas, senti meu cuzinho esgaçar, dei um gritinho e a cabeçona entrou toda, ele parou, acariciou minha bunda e minhas tetas, segurou-me pela cintura e foi empurrando novamente, enxerguei estrelas, mas não podia gritar e tive que aguentar, ele continuou empurrando e para facilitar, abri minha bunda com as mão e empinei o que pude, ele se aproveitou e enterrou o resto da piça em mim, senti as bolas, o saco baterem na bunda e seus pentelhos duros arranharem meu rego, ele suspirou profundamente e parou com toda a piça enterrada ficou por uns segundos assim para não gozar, com a piça dele toda enterrada, apesar de meu pauzinho estar molinho, eu gozei nas minhas pernas (aquele gozo melado que a gente larga quanto está sendo enrabado). Em seguida ele começou a bombear saindo e entrando, devagar no início e aumentando ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]