Minha irmã – a putinha do colégio

Loading

Meu nome é Rafael, sou de Floripa.

Essa história aconteceu quando estava no terceiro ano do colégio. Fui a um show do Forgotten Boys gratuito que estava rolando em uma praça aqui da minha cidade, no meio da galera conheci Marina, uma loira gótica gordinha usando um decote que fazia qualquer um babar nas tetas enormes que ela tinha. Comecei a trocar ideia com ela que estava completamente bebada. Acabamos indo para um canto isolado e começamos a nos beijar. Logo eu chupava aquelas tetas deliciosas enquanto ela me batia uma gostosa punheta. Ela usava um vestido preto, afastou a calcinha pro lado e comecei a socar minha rola naquela buceta gostosa. Depois que gozamos ela começou a chorar… Perguntei o que aconteceu e ela disse que não deveria ter feito aquilo, que tinha namorado e que só fez por estar muito bebada, disse que era melhor ir embora e ainda chorando pegou um onibus.

Na segunda feira aconteceu algo horrivel. Havia um garoto no meu colegio conhecido como Rato, o cara era tipo um traficante mirim, era o cara mais temido do colégio pois todos sabiam quão perigoso ele era, imagina meu desespero quando ele chegou em mim dizendo que eu havia comido a namorada dele! Ele me encurralou no banheiro e disse que a namorada dele arrependida contou tudo, disse que iria me matar, que era pra eu começar a contar meus dias porque eu já era. Disse que não sabia que era namorada dele, pedi perdão, disse que faria qualquer coisa para remediar minha situação… E então ele citou minha irmã. Camila era minha irmã mais nova. Estava no primeiro ano do colégio, era loirinha, muito branquinha e baixinha com lindos olhos verdes. Rato disse que esqueceria tudo com uma condição. Que minha irmã fosse a putinha, não só dele, mas do colégio todo. Ela deveria ir

de saia pra escola e preparada para deixar fazerem o que quisessem com ela. Eu disse que ela era virgem, para por favor não fazer isso com ela, ele pensou e falou: Beleza, nenhum de nós ira tirar o cabaço de sua irmã.

Conversei com Camila… implorei pra ela fazer aquilo que era minha única salvação. Ela chorou muito, mas por amor ao irmão aceitou.

Chegamos no colégio e Rato já havia espalhado para a escola inteira que minha irmã estava liberada. Andando pelo corredor do colégio, todos os caras chegavam perto e discretamente passavam a mão na minha irmã, nos seios, na bunda, na bucetinha e ela quieta, de cabeça baixa, sem esboçar reação. Rato se aproximou de nós e já seu uma bela pegada nos peitos da minha irmã e disse. “Vocês nem vão entrar na aula, vamos para a quadra do colégio que sua irmã esta prometida pras lésbicas do colégio”. Acompanhei minha irmã pra quadra e um grupo de 4 garotas esperavam por ela. Rato falou: “Podem curtir”

As garotas chegaram perto na minha irmã e passavam a mão no corpo todo dela. Ela apenas de cabeça baixa não fazia nada. Até que uma das garotas levantou seu queixo e começou a beijá-la, elas tiraram a camisa da minha irmãzinha e começaram a chupar seus peitos, as quatro dividiam as tetinhas dela ferozmente, chupando lambendo, até que finalmente a deitaram no chão. Todas as garotas tiraram a calça e a calcinha e uma de cada vez sentava na cara da minha irma esfregando a buceta em sua boca… Melaram a cara inteira da minha irmã e fodiam seu rosto até gozarem. Camila saiu da quadra chorando, mas a tortura estava apenas começando. No intervalo Rato disse que deveriamos ir para a sala de informatica que estava destrancada. Ficamos eu e minha irmã esperando ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]