Na calada da noite meu pai me visitava

Loading

Na calada da noite

Conto de Mayara Nascimento F

Hoje tenho 26 anos, nasci e cresci numa fazendo onde meu pai era o encarregado, apesar da sua pouca escolaridade e de ser um pouco rude conquistou esse cargo, vamos dizer assim, por seus próprios méritos já que trabalhava nessa fazenda desde sua adolescência e conhecia todos os procedimentos da fazenda. Como eu disse, um pouco rude e de pouca escolaridade, mas desde criança sempre teve muito carinho comigo e sempre me deu bons conselhos, sempre exigia que eu fosse responsável e que eu estudasse pra ser alguém na vida. Graças aos seus conselhos e ao seu esforço hoje me sinto recompensada pois consegui cursar uma universidade e me formar em medicina veterinária. Isso deu muito orgulho ao meu pai, e como eu sempre gostei de animais voltei para onde tudo começou, a fazenda onde me criei, pra fazer o que eu gosto e também ficar perto do meu pai. Quem já foi numa fazenda sabe que o dia começa cedo, às quatro da manhã agente já esta no batente por isso também se dorme muito cedo. Comecei a trabalhar na fazenda e colocar em pratica um pouco do que aprendi, meu pai super orgulhoso, sempre me abraçava e me enchia de carinhos. O tempo foi passando e eu sempre dedicada ao trabalho, e num desses dias percebi meu pai olhando minha bunda, apesar de eu achar que tenho uma bela bunda não dei muita importância para o fato, e não achei que minha bunda fosse capaz de despertar tesão ou desejo em meu pai, que todos os dias vinha me abraçar e me fazer carinhos. Os dias foram passando e por varias vezes o surpreendi olhando minha bunda, e numa dessas vezes além do olhar fixo nela ele ainda estava alisando seu pau, ainda que por cima da calça, mas percebi que ele estava duro e não era pequeno. Eu já tinha ouvido varias historias sobre meu pai, diziam que ele era garanhão, fodedor e que já havia comido muitas mulheres, minha mãe mesma dizia que ele não perdoava um cu ou uma buceta que desse moleza frente dele. Ate perguntei se ela não ligava de saber que ele comia outras mulheres, mas ela disse que ele tinha pau pra satisfazer ela e quantas outras quisesse, enquanto ele desse conta dela, ela não se importava dele comer outras por ai. Fiquei com essas coisas na cabeça e confesso senti um baita tesão só de imaginas aquela pica do meu pai que já tinha comido tantos cu, e bucetas me fodendo, arrombando meu cu e minha buceta, quando dei por mim minha bucetinha já estava melada a ponto de molhar minha calça branca de médica veterinária. Decidi então ficar mais atenta aos abraços e caricias do meu pai, e comecei a perceber seus toques sutis em meus seios e suas encostadas em minha bunda a ponto de sentir que seu pau estava duro e pulsando. Ao perceber isso fiquei toda arrepiada, como se tivesse sentindo muito frio, mas na verdade estava sentindo tesão pelo meu pai. Continuei sentindo seus carinhos, toques e encoxadas e eu fingia não perceber, mas estava gostando da brincadeira e orgulhosa da minha bunda estar seduzindo ele. Num determinado dia, quando eu estava debruçada na cerca do curral ele foi bem mais ousado, encostou na minha bunda e me beijou no pescoço, um pouco abaixo da orelha, quilo me arrepiou toda, e me encheu de tesão, ele lógico percebeu e deu uma forçadinha na minha bunda me prensando contra a cerca, em resposta dei uma forçadinha com a bunda pra traz, e ele me beijou de novo na nuca me deixando arrepiada mais uma vez. Saiu de traz de mim e ficou do meu lado com o braço em minha cintura, e perguntou se estava tudo bem, eu sorri e disse, está tudo ótimo, ele então desceu sua mão ate minha bunda e passou a mão algumas vezes ,desceu mais ainda ate meu rego por cima da calça e se deteve na altura do meu cuzinho, e fez uma leve pressão com o dedo médio, pra mostrar que eu estava receptiva e concordava, dei uma leve abrida de perna e ele forçou mais ainda, fiquei com meu cuzinho piscando de vontade, dai em diante eu sabia que era uma questão de tempo pra ele me comer. Como já disse anteriormente,na fazenda dormimos muito cedo, minha mãe é a primeira a cair no sono , e que sono, pode trovejar, cair a maior tempestade, o céu desabar que ela não acorda. Eu porem tenho o sono leve e qualquer barulho me acorda, e naquele fim de semana acordei com alguém abrindo a porta do meu quarto deitando na minha cama e se ajeitando atrás de mim. Minha cama, era grande, de casal encostada na parede embaixo da janela. E eu costumava dormir de lado com uma camizolinha curta e uma calcinha de renda bem comportada, ele passou a alisar minha bunda e pelo toque e aspereza da mão com certeza era meu pai, e ficou ali por um bom tempo. Fingi estar dormindo e não me movi, depois ele se levantou e saiu do quarto. Durante o dia tudo normal, as mesmas caricias, os mesmos toques,roçadas na minha bunda, mão na minha cintura e depois na minha bunda. Na noite seguinte ele voltou, se deitou atrás de min alisou minha bunda depois enfiou seu dedo no meu rego ate chegar no meu cuzinho, ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]