NO MOTEL COM GOSTO E GOMES

Loading

De dentro do box de vidro no motel, eu via ele deitado na cama, nú, já banhado e de pau duro. Alisava o cacete com uma das mãos enquanto me olhava pelo vidro.

Pensei o quanto foi difícil trazer ele no motel.

– Vai demorar?

– JÁ VOU TERMINAR . AGUENTA ?

– Sim, mas o tesão só aumenta vendo vc embaixo do chuveiro.

Continue me lavando, tentando segurar o tesão que exalava pelo corpo. Estava a tempo sem sexo passivo e havia acordado querendo muito. Que bom que o Gomes aceitou o convite.

Fechei a ducha e passei creme hidratante em todo o corpo molhado.. fiquei ainda mais liso.

Sai e fui pra cama.

Ele deitado, pernas abertas, braços abertos feito X na cama, pau grosso duro, só me olhava.

– Vem Nina.. Vem provar …Vem foder..

Sem responder, ajoelhei-me entre suas pernas e fui baixando a boca em direção ao cacete.

devagar, lambi a ponta, deixando um pouco de saliva. Fui descendo na lateral com a língua, cheguei nas bolas sem pentelhos. Coloquei a rola na boca e comecei a sugar como se fosse o ultimo pau que eu provaria…Chupava devagar. Engolia tudo o que podia enquanto a lembrança da primeira vez que o vi correndo pelo parque passava pela cabeça.

Sempre me

olhava.. As vezes, disfarçadamente, virara a cabeça pra ver.. Nunca falou nada.

Até que aquela tarde, eu parado , fui por ele questionado, se estava tudo bem…

-FALTA ALGO PRA MIM…SEU FONE..PARA UM CONTATO..SE VC QUISER.

-Agora não tem onde marcar. Na próxima vez , te deixo meu cartão. E assim o fez.

Voltei a abrir os olhos e percebi que o pau na minha boca não era imaginação.

continue a chupar aquele sorvete de carne, enquanto ele aquecia ainda mais. Pulsava dentro da boca.. Passava mi has não no peito de Gomes enquanto baixava a cabeça no talo do pau dele. Beijava sua barriga e aos poucos fui subindo em seu corpo .

Esfregava meu corpo nu contra a pela clara dele e fazia movimentos que simulavam a foda, enquanto as mãos percorriam minhas costas.

Encapado e duro, o cacete de Gomes começou a procurar meu cuzinho melado de creme.

Comecei a sentar devagar, na pontinha, na portinha…forçava e parava.. forçava de novo.

ele embaixo de mim e eu segurando seus braços, comandava a descida de minha bunda naquele caralho. As vezes ele tentava forçar, e eu saia..ria da situação. Estava sem pressa.

Aos poucos fui descendo, rebolando – ASSIM QUERIDO , ASSIM MESMO , ME FODE GOSTOSO-

enquanto sentia o fundo de meu rabo, as estocadas devagar ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]