Primeira vez com a coroa safada

Loading

A história que vou relatar abaixo aconteceu comigo há quase 20 anos, quando eu tinha apenas 19 anos na cidade onde nasci. Primeiro vou me apresentar, meu nome é Marcello, tenho 1,82m de altura, 89kg, sou moreno claro e tenho olhos castanhos. Moro atualmente em SP e sou casado… Mas adoro uma putaria e minha esposa não acompanha meu ritmo, rs… acho que sou safado além do normal.
Mas vamos ao conto. Naquela época eu era pouco experimente nas questões sexuais, tinha perdido minha virgindade 2 anos antes, já tinha comido algumas garotas e estava namorando com uma gaúcha linda, morena, um pouquinho mais nova que eu. Nosso namoro estava uma delícia, eu nunca havia trepado tanto na minha vida, gauchinha gostava muito de sexo e transavamos todos os dias na casa dos meus pais, na casa dela ou no carro. Eu achava que o sexo com a gauchinha era demais, até conhecer Carmem, uma coroa de uns 42 anos amiga dos meus pais.
Meus pais viviam fazendo festas em casa, e eu conhecia praticamente todos seus amigos. Era um grupo grande de amigos e eles se encontravam quase toda semana. Numa das festas lá em casa apareceu a Carmem, uma coroa divorciada há alguns anos, e que tinha muito cara de safada. Carmem era loira, tinha olhos azuis, malhava todo dia, não era linda mas o conjunto chamava bastante atenção apesar dos primeiros sinais da idade. No dia que a conheci trocamos poucas palavras e nada mais, nem reparei na coroa (eu só pensava em comer minha gauchinha).
Umas 2 semanas depois fui a uma festa com meus pais e lá estava a Carmem de novo. Nos cumprimentamos e durante a festa tive a sensação que ela estava me olhando, mas nem me liguei nisso, achei que era viagem da minha cabeça. Mas ela continuava me olhando e em certo momento deu uma piscadinha, aí eu confirmei minha suspeita, ela tava a fim de mim. Eu era meio devagar, nem tomei atitude. Lá pelas tantas ela veio conversar de novo comigo e foi mais direta, perguntou se eu tinha namorada, respondi que sim, o papo meio que esfriou e nos distanciamos esse dia. Logo depois fui pra casa, não encontrei minha namorada nesse dia, e antes de dormir bati uma punheta delirando na bunda da Carmem que era bem redondinha…
Fiquei com a Carmem na cabeça, e aos poucos decidi que ia comer aquela coroa. Demorou um pouco porque não rolou outra ocasião tão rápido, mas cerca de 1 mês depois teve um almoço num restaurante de uns amigos do meu pai e lá estava ela. Esse dia ela abusou, olhava fixamente nos meus olhos, me chamava com o dedinho, fazia cara de safada, mandava beijinho, ela estava bem safada. Pensei “é hoje”. Colei nela, conversamos um pouco até que ela falou “vamos sair daqui, vamos pro meu apto” e eu falei “vamos, mas temos que disfarçar pros meus pais não perceberem” então ela deu o endereço da casa dela, foi na frente e eu fui logo depois em outro carro.
Chego no apto dela, toco a campainha e a safada me atende vestindo um hobby preto de seda, com uma taça de

champanhe na mão. Eu tava nervoso pra cacete, nunca tinha comido uma coroa como ela, ia ser á primeira vez que ia trair minha namorada, tava meio inseguro. A cumprimentei com um beijo no rosto, fiquei meio calado e ela perguntou:
– Tá tudo bem? Você parece meio nervoso…

– Ah, sei lá, tô me sentindo estranho

– Vem cá, vamos deitar aqui na cama do quarto, a gente conversa um pouquinho – disse ela me puxando pelas mãos
Chegando no quarto me deitei primeiro na cama, de roupa mesmo. Fiquei deitado de lado, de frente pra porta do banheiro. A Carmem foi na cozinha pegar a garrafa de champanhe, colocou ao lado da cama e entrou no banheiro. Dois minutos depois a safada sai do banheiro com o hobby aberto, sem nada por baixo, na maior naturalidade e senta do meu lado, na altura de onde estava minha cabeça. Ela começa a acariciar minhas costas, falar coisas como “tá tudo bem” e meu pau já dava sinais de que tava animado.
Até que eu penso “que se foda”, meto a mão por baixo da bunda dela, com a outra mão separo as pernas e caio de boca naquela buceta loirinha que só tinha uma fileirinha de pentelhos:
– Uhm, gostei da atitude safado… chupa gostoso minha buceta
Eu chupava e ela ia se arrumando na cama, passava as mãos nos peitos, puxava minha cabeça, gemia alto sem pudor. O jeito dela me deixava muito excitado e ela não parava de falar:
– Aí que delícia, chupa essa buceta, chupa bem gostoso safado. Ai, ai tesão, assim… – gemia ela enquanto eu chupava e olhava bem no fundo dos olhos dela, e via ela apertando o biquinho dos peitos grandes
– Vem cá, deixa eu sentir o gosto da minha buceta na sua boca, deixa eu lamber sua língua – continuava ela. E eu adorando, nunca tinha trepado com uma mulher que falava putaria na cama, meu pau tava mais duro que pedra.
Levantei e comecei a beija-la. Ela tinha uma língua gostosa, grande, e uma boca carnuda e me beijava molhado, enfiava a língua na minha boca e chupava minha língua como se chupasse um pau.
– Deixa eu ver esse pau duro gostoso – e já foi abrindo minha bermuda, me colocando sentado na cama e se ajoelhando no chão
Meu pau pulou da cueca, as veias saltadas, a cabeça vermelha e inchada, já babadinha na ponta.
– Ai, delícia de pau, grandinho, grosso, do jeito que eu gosto – dizia ela me olhando com cara de piranha e masturbando de leve, mas apertando bem forte deixando a cabeça ainda mais inchada

– Gostou? Então chupa essa rola – disse eu, entrando no jogo de palavras dela

– Vou mamar bem gostoso nesse pauzão – e começou o que foi até aquele dia o melhor boquete da minha vida

– Isso, chupa

– Delícia de pau, grande e grosso pra mim – e ela tirou o pau da boca e bateu com ele na cara enquanto me olhava e dava um sorriso de puta

– Você é ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]