Putinha do Papai e do Maninho

Loading

PUTINHA DO MANO E DO PAPAI, INCESTO DUPLO

Eu e meu mano nós nos descobrimos ainda nas épocas de espinhas no rosto, pelinhos aparecendo e entre toques e beijinhos chegamos ao fato real. Foi lindo e deliciosos sentir seu cacete ainda não tão desenvolvido me enrabar, caraca como doeu perder minhas preguinhas, ele sem experiência arrebentou de vez as minhas. Demorou para que ele metesse sua rola na minha bucetinha, mas depois disso viciamos, fazíamos em casa mesmo depois que nossos pais se aquietavam. Ele vinha no meu quarto onde eu já esperava nuazinha no escuro, ele tateava no meu corpo e depois de um gostoso beijo sua pica já ia se metendo na minha buceta, tinha que gemer baixinho e sem alarde, tudo era bem rapidinho, raras vezes que dava duas.

Um dia me perfumei toda, estava louca de tesão, meus dedos massageavam meu clitóris avantajado e senti um gozo, nada dele chegar, estava impaciente e ia acabar gozando novamente quando percebi a porta se abrir e ele entrar.

Sussurrei. – Porra mano quer me matar de desejo.

Nada ouvi de resposta, mas estranhei quando ele abriu minha perna e meteu a boca na minha buceta, isso nunca tinha acontecido, passei a mão nos cabelos. Não era ele, me assustei e tentei sair, ele parou e veio me beijar com aquele gosto da minha buceta, caralho, foi o melhor beijo da minha vida. Baixinho perguntei.

– Ta louco pai?

– Vou matar seu fogo sua vadiazinha, fique caladinha para não acordar sua mãe e aproveita para gozar muito, minha cachorrinha. Fiquei louca ser chamada de vadia e cachorra, ali estava um homem que sabia das coisas. Seu beijo sugava meu corpo, sua boca chupava meus mamilos com voracidade, tive que agarrar no lençol e rebolar para não gritar, mas sussurrei.

– Caralho pai que boca é essa? Está acabando comigo. Me calei para segurar o gemido que mais aquele gozo trazia junto. Abriu minha perna e ficou passando a cabeça da pica na minha buceta, logo percebi que era grande e fui conferir com a mão, estremeci de desejo e medo. – Porra é muito grande esse caralho. Ele falou. – Fique calada cadelinha, vai entender o que é uma foda. Foi cuidadoso ao iniciar a penetração, eu já estava acostumada com cacete, mas aquilo era demais, empurrava os lábios da minha buceta para dentro e trazia de volta quando a cabeça vinha, uma ou duas ou mais vezes ele foi empurrando aquela coisa enorme, até que me senti lotada ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]