Visita de Surpresa do Cunhado

Loading

Era uma terça de inverno, chovia sem parar e estava bem frio. Naquele dia fiquei em casa e, como sempre que isso acontece, gosto de me vestir bem feminina e curtir a sensação de ser mulher. Tomei um banho, me depilei e vesti uma meia-calça, calcinha azul de rendinha, sutiã também azul com rendinhas nas pontas, uma básica, vestido de mandas com gola fofa, calcei uma sandália agulha, coloquei brincos, colares, pulseiras e anéis, estava bem gostosa e feminina, fiquei assim me curtindo. Preparei meu almoço e, quando ia começar a almoçar tocou o interfone e o porteiro me avisou que meu cunhado estava na recepção, fiquei gelado, mas autorizei sua entrada. Pensei em tirar as roupas rapidamente, mas não deu tempo, porque menos de dois depois tocou a campainha, abri a porta e ele entrou admirado comigo vestido daquele jeito e me disse que sabia que eu era putinha, mas não imaginava que gostasse de me vestir como uma mulher, tentei explicar, mas ele nem deixou dizendo que estava ótimo assim, que eu ficava muito bem como uma putinha vestida a rigor e disse que o cheirinho da comida estava uma delícia, que iria almoçar comigo. Foi ao banheiro lavar as mãos, enquanto isso coloquei mais um prato e talheres para ele, quando voltou me pegou por trás e me apertou muito, me acariciou as coxas, a barriga, passou a mão no meu pau e, não encontrando nada me perguntou ao ouvido o que eu tinha feito com ele, expliquei que colocava no meio das pernas para não aparecer e não fazer volume na calcinha, ele continuou e acariciou minhas tetinhas, esmagando meus mamilos com força, eu reclamei, ele então acariciou minha bundinha, me apertou forte de novo, senti seu pau crescer na minha bunda e me chamou de putinha gostosa, agora mais gostosa ainda vestidinha como mulher. Convidei-o para almoçar, ele me largou e se sentou, servi seu almoço, o meu e almoçamos conversando muito. Quando terminamos, ele me disse que tinha ficado bem impressionado e me pediu para levantar o vestido na frente e mostrar para ele, fiz e ele disse que estava admirado como ficava parecido com uma buceta, sem o volume por baixo da calcinha. Eu disse que era mais fácil porque meu pau era pequeno e eu arrumava ele entre as bolas, formando uma racha assim dando a sensação de ter uma buceta, ele observou e confirmou isso, bem impressionado. Servi um cafezinho e depois ele me disse que queria me comer bem gostoso. Levantou-se e me pegou novamente, me abraçou forte acariciou minhas costas, minha bunda, minhas coxas, beijou lascivamente minha boca, enroscando sua língua na minha e percorrendo todos os recantos da minha boca, beijou minhas orelhas, meteu a língua nos ouvidos, me arrancando um gemido, sentia o enorme volume do seu pau na minha barriga, foi me levando para o quarto, sempre abraçado, me apertando e beijando, quando chegamos, ele me virou de costas e continuou me abraçando muito forte, acariciando cada centímetro do meu corpo, eu estava excitado demais e ele estava gemendo de tanto tesão, seu enorme pau roçava minhas costas e minha bunda, mesmo por baixo das calças. Depois ele me falou ao ouvido para eu me abaixar e chupar seu pau bem gostoso, me deu um beijo forte , mordeu meus lábios e forçou minha cabeça para baixo, me abaixei, frouxei sua cinta, baixei o zíper, arriei a calça, a cueca e me deparei com aquele enorme cacete, duro feito pedra, com forte cheiro de macho e já pingando o melzinho do pré-gozo, apertei com os lábios bem de leve a pontinha da cabeça, sugando o melzinho, ele gemeu de tesão, desci até seu saco, lambi toda sua volta, seus pentelhos eram duros feito arames que arranharam meu rosto, suguei uma bola, ele gemeu novamente, suguei outra, passei a língua nas virilhas, ele enlouqueceu, tudo isso acariciando sua bunda cabeluda, suas coxas com muitos pelos, ele gemia, depois voltei para as bolas, suguei as duas e comecei a lamber o mastro de baixo para cima, bem devagar, passando a linga por toda a volta, sempre acariciando sua bunda, coxas e suas bolas, meu macho estava enlouquecido, foi subindo pelo mastro, uma grande quantidade de melzinho lambuzou todo meu rosto,

tamanho era seu tesão, continuei acariciando com a boca aquele enorme mastro, estava muito quente, suas veias latejavam, finalmente cheguei a glade, passei a língua ao redor, lambi suavemente a cabeçona, a essas alturas ele segurava minha cabeça e puxava meus cabelos, apertando contra seu pau, meu cunhado macho estava descontrolado, gemia alto, me falava palavras obscenas, por fim, abri bem minha boa e abocanhei a cabeçona, tive que fazer esforço para colocar tudo na boca, porque era bem grande, ele gemeu, se contorceu todo e despejou uma enorme quantidade de melado na minha boca, suguei tudo e engoli, passei a língua por toda a cabeça ao mesmo tempo de chupava forte, enfiei a língua no orifício da cabeça e comecei a engolir aquele instrumento maravilhoso, coloquei o que pude na boca e consegui somente a metade, comecei a chupar devagar e fui aumentando o ritmo, sempre acariciando sua bunda, coxas, o saco e as bolas, ele se contorcia, segurou minha cabeça e começou a foder minha boca, metendo o que podia, me engasguei várias vezes, despejava horrores de melado na minha boca, me fodia forte e, para não cair, me ajoelhei e fui fodido na boca por um bom tempo, até que senti seu pau inchar na minha boca, suas veias latejaram e recebi o primeiro jato de leite na guela, me afoguei, mas consegui engolir tudo, veio o segundo, o terceiro, o quarto, tudo dentro da minha boca que não conseguia dar conta e deixei escapar pelos lados, engolia o que dava, afastei um pouco minha boca e levei três ejaculadas no rosto e nos cabelos, abocanhei novamente e levei mais algumas esporradas na boca até que ele foi se acalmando, fiquei com seu pau na boca e suguei todo o leite, engoli tudo e deixei seu pau limpinho. Ele sentou-se na cama ofegante e me disse que nunca tinha sido chupado desse jeito, me levantei, fui ao banheiro lavar meu rosto e voltei para o quarto, ele já estava sem roupas, deitado na cama, de pau duro novamente, não acreditei. Deitei ao seu lado, ele me virou de bruxos, levantou meu vestido, puxou a caldinha até os joelhos, puxou a meia-calça e começou a lambeu meu reguinho, minha bundinha, minhas coxas, meu cuzinho, a cada lambida eu dava gemidos de prazer, sua língua era áspera e úmida, enquanto lambia, ele acariciava minhas coxas, minha bunda, enfiava a mão por baixo do vestido e do sutiã e acariciava minhas tetinhas, apertava meus mamilos, estava gostoso demais, mandou eu levantar um pouco a bundinha e procurou meu cacetinho, estava muito molinho e pequeno, riu muito dele e me disse que realmente eu tinha que ser putinha mesmo, pois com aquele tiquinho não conseguiria nada. Em seguida, levantou bem meu vestido, fechou minhas pernas e se acomodou em cima de mim, seu pau estava muito duro, lubrificou com cuspe e colocou no meio das minhas pernas, deitou nas minhas costas me amassando contra o colchão, ele era pesado, me abraçou forte e começou a me foder nas pernas, era muito gostoso, dizia que eu era uma puta maravilhosa e era mais gostoso ainda me comer na minha cama, eu deitado no lugar da cunhada, sendo a mulher dele. Me fodeu assim por muito tempo, me lambuzou muito minhas coxas com seu mel de pré-gozo, quando sentia que iria gozar, parava e esperava passar. Depois anunciou no meu ouvido que iria comer meu cuzinho, suspendeu seu corpo, esfregou seu pau no meu cuzinho, melando bem o buraquinho, mandou eu arrebitar a bundinha, posicionou seu cacete duro na portinha, deitou novamente nas minhas costas, me abraçou muito forte e pressionou meu buraquinho, dei um gritinho abafado no travesseiro da minha mulher, ele continuou pressionando, a cabeçona era muito grossa e estava difícil de entrar, pedi a ele que me comesse só nas pernas, mas ele nem ligou, como estava muito excitado, largou mais um pouco de mel no cuzinho, deixando-o bem lubrificado, se aproveitou e deu uma estocada forte, dei um grito abafado, senti uma dor enorme e meu cuzinho sendo arrombado, ele continuou empurrando, senti a cabeça entrar e meu cuzinho dilacerado, ele gemeu e parou com a cabeça toda dentro de mim, ficamos parados, ele me disse tudo bem minha putinha, a cabeça ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]