ZELADOR..do predio, entrando no jogo

Loading

Oi gente, meu nome e Joel, sou zelador de um predio ha quase 15 anos. Eu nao me acho um homem bonito, mas sou muito educado, estudei alguma coisa na vida, gosto de tratar bem as pessoas e ser bem tratado. Nunca deixei de resolver nenhuma pendencia do Condominio. Moro com minha familia, e sou muito respeitador, nunca ninguem se queixou da maneira como trato as pessoas, e tambem sou muito bem tratado por todo mundo. Nesses anos todos, eu peguei muita coisa errada das pessoas, e passei a ser um confidente de muita gente, e muita gente tambem tinha medo e ate raiva. Eu sou obrigado a estar sempre atento a segurança do condominio e dos moradores, receber mercadorias, tratar com os funcionarios e com a administradora e com a Sindica, Dona Marcia(nome fantasia). Antes de Dona Marcia, que conto mais adiante, aconteceram muitas coisas comigo, ate curiosas e outras muito gostosas. Alem de zelador, era meio eletricista, encanador, pedreiro, enfim fazia um pouco de tudo. Uma coisa eu tinha de fora do comum, adoro mulher, e adoro uma bucetinha, e sempre fui meio taradao mesmo, mas via com olhos e lambia com a testa na maioria das vezes. Um dia uma moradora entrou de carro pela garagem, e quando desceu do carro, deu mau jeito e entortou o pe. Deve ter doido muito, pois ela gritou, eu estava na portaria e corri pra ver o que havia acontecido. Ela estava deitada caida no chao com o pe enroscado entre os pedais, eu nunca vi isso, e o corpo pra fora. A cena era linda e maravilhosa apesar de tragica. Ela estava de saia, e sua exuberante calcinha e volume da boceta, nao fugiram um milimetro dos meus olhos. Tive que entrar pela porta do passageiro pra soltar seu pe, ela chorava e eu fiquei de pau duro de ver a cena. Consegui soltar seu pe, e pude ate ver manchas na sua calcinha de tao perto que estava, nao relutei em tocar de leve com meu cotovelo aquele monte de prazer. Ate ai ela nao se percebeu de nada, so se tocou quando viu meu pau duro. Olhou e puxando o rosto de dor, me pediu pra subir com ela e ajuda-la, estava sozinha, o marido tinha viajado e o filho em exames no Interior. Ela tinha uns 40 anos, uma bela mulher. Fui com ela ate o apartamento segurando-a pelos braços, e entrando a coloquei na sala em seu sofa, ela reclamava de muita dor. Peguei seu pe, pra dar uma olhada, ela levantou a perna mais que o necessario e agora exibia mais uma

vez aquela cena. Fiquei mais excitado. Ela percebeu tudo, e me pediu pra ajuda-la ir ao banheiro, claro a conduzi ate la, e ja nao escondia mais meu tesao, e nem ela, porque seus biquinhos dos peitinhos etavam rigidos. De pe ela num gesto doido e se segurando em mim, pediu pra abaixar sua calcinha, pra ela fazer xixi. Eu me ajoelhei, levantei sua saia e dei na mao dela pra segurar, de frente pra ela, peguei nos dois lados e puxei devagar pra baixo, quando apareceu sua buceta peludinha, linda, afundei minha cabeça nela e enfiei minha lingua na sua gruta. Ela deu um gemido, e disse – finalmente seu Joel., chupei ate ela gozar. Coloquei sua cabeça no vaso e ela de quatro, fodi sua buceta, arrancando dela multiplos orgasmos, ela fazia tempo que nao gozava. Eu depois de 5 minutos bombando nela e a fazendo gozar , tambem despejei todo meu leite dentro dela. Ela se maravilhou comigo, e depois disso ela ia sempre comigo na casa de maquinas, quando seu marido estava em casa, e ate hoje fodemos pelo predio todo. Dona Marcia e a sindica atual, mulher separada a pouco tempo, se tornou minha amante de varios momentos, e tambem transamos sempre que possivel. A melhor historia vem entre tantas das duas amigas, uma do 5 e outra do 8 andar. Duas meninas entre 16 e 17 aninhos no auge do tesao e da idade jovem. Vou chama-las de Ana e Bete. Elas tinham mudado quase ao mesmo tempo para o condominio ja havia um ano. Quase nao falavam comigo, mas sempre cumprimentavam. Os pais de Ana fizeram uma viagem mais longa e ela ficou morando com a Bete, ate antes de sairem me recomendaram muito pra cuidar bem das meninas. Era epoca de ferias, elas dormiam ate tarde, e iam para a sala de jogos depois do almoço, e ficavam durante a tarde toda. Quando o porteiro entrava eu subia normalmente e ficava em casa descansando ou fazendo algum trabalho no predio. Numa tarde as duas estavam jogando ping-pong, depois foram pra mesa de baralho, eu fui arrumar uma torneira da pia do salao de jogos. Eu ouvia risadinhas e brincadeiras delas e nem prestei muita atençao, ate que Ana me chamou perguntando se eu nao queria jogar com elas. Disse que nao gostava de jogo. Elas disseram, venha ate aqui, esse jogo o Senhor vai gostar. Pensei, vamos la, ver o que elas querem. Quando me aproximei pediram pra eu me sentar, e Ana em voz baixa, começou a explicar o teor do jogo. Era ...


Please enable / Bitte aktiviere JavaScript!
Veuillez activer / Por favor activa el Javascript![ ? ]